Uma jornada de cem anos sem solidão

Por Ruben Rosenthal

A vitória pessoal começou naquela primeira semana que não consta do registro de nascimento.

Tenente Israel Rosenthal Força Expedicionária Brasileira
Tenente da FEB Israel Rosenthal participa de solenidade

1921. Já não se falava tanto nos horrores da Grande Guerra, que tivera como palco principal o continente  europeu. O país contava então com uma população em torno de 30 milhões, e uma expectativa média de vida ao nascer de 35 anos para os homens. A medicina ainda avançava devagar.

31 de janeiro. Era quase impensável que alguém nascido no início dos anos 20, mesmo em uma metrópole como o Rio de Janeiro, pudesse chegar aos 100 anos de idade. Nas duas primeiras décadas do século o Brasil fora assolado por doenças como a febre amarela, peste bubônica, varíola, tuberculose e ao final da segunda década, pela espanhola.  Em 1921 ainda faltavam sete anos para a descoberta da penicilina, e duas décadas para que seu uso clínico fosse definido em Oxford em 1940, dando origem à era dos antibióticos.

Para o país, a década de 20 representou o começo da transição de um modelo exportador primário com base no café, para o da industrialização voltada para o consumo interno. O rádio foi uma novidade, com o início da radiodifusão no país em 1922. A criança então com nove anos talvez observasse seus pais acompanhando os discursos de Getúlio Vargas, mas é pouco provável que tivesse algum entendimento do que era dito ou mesmo que uma Revolução estava ocorrendo no país em 30. Poucos anos depois, esta mesma criança poderia notar a aflição dos pais ao escutarem as notícias de que o líder nazista Adolf Hitler se tornara chanceler da Alemanha.

As feições do Rio de Janeiro herdadas dos tempos coloniais já haviam mudado substancialmente com as intervenções urbanísticas de Pereira Passos no início do século (1906), dando à capital do país uma aparência moderna. Mas estas reformas também contribuíram para aumentar a segregação da cidade. Até 1930 prosseguiu a remodelação do antigo Centro e desenvolveu-se o vetor na direção sul da cidade.  

No decorrer dos anos 30 o adolescente já poderia se dar conta do desenvolvimento urbano, como também do crescimento das favelas. Faziam sucesso nesta década as músicas O que é que a baiana tem, na voz de Carmen Miranda, Tico-tico no fubá, a marchinha de carnaval As Pastorinhas, Linda morena, Carinhoso, dentre outras.

Os jovens dançavam em clubes ou nas populares gafieiras, como o Elite Club. No final da década de 30 surgiu o Clube Cabiras, que passou a ser um ponto de diversão da juventude judaica. 

Tenente Rosenthal participa da campanha da FEB na Itália, 1945
Tenente Israel Rosenthal, FEB, Itália, 1945

No entanto, aquela despreocupação cedeu lugar à apreensão, quando as consequências do advento do nazi-fascismo no mundo se fizeram sentir. Ao final da década de 30 eclodiu a segunda Grande Guerra, e nos anos seguintes tropas da FEB, a Força Expedicionária Brasileira, foram enviadas para o teatro de operações na Europa para combater o nazi-fascismo.

O jovem tenente nascido em 1921 embarca com seus companheiros para passar por sua inesquecível experiência. Ao regressar ao país em 1945, o pracinha da FEB estará com 24 anos. Os momentos vividos serão sempre lembrados e celebrados. O retorno das tropas apressou o fim da ditadura Vargas.

Na década de 40 despontaram na música nomes como Francisco Alves, Dalva de Oliveira, Ataulfo Alves, Nelson Gonçalves, Ciro Monteiro e Luiz Gonzaga, com Asa Branca. No Carnaval, Emilinha Borba reinou soberana em 1949, com Chiquita Bacana. Para aquele jovem adulto nascido em 21, era possível usufruir novamente de momentos de plena descontração, namorar, casar e constituir família.

A televisão surge no país em 1950 com a Tupi. Vargas retorna, eleito presidente em 51 e se suicida em 54. Em 58, o Brasil ganha o seu primeiro campeonato mundial de futebol. Eis que desponta Pelé, o Edson Arantes do Nascimento. O principal esporte ainda traria muitas alegrias e tristezas nas décadas seguintes.  Juscelino inaugura Brasília em 1960. Surge a Bossa Nova, na voz e violão de João Gilberto. Militares no poder em 64. Diretas Já. Ayrton Senna. Lula na presidência. Bolsonaro.

Estes foram apenas alguns dos momentos que mexeram com o país, que podem ter sido comemorados, ignorados ou repudiados por alguém nascido em 21. A música já lhe causava estranheza desde o surgimento do Rock & Roll e dos Beatles. Os aparelhos eletrônicos se sofisticaram e seu uso requer esforço da parte do agora idoso nascido em 1921, como no caso de computadores e celulares. A violência aumentou nas ruas do Rio de Janeiro, trazendo também insegurança ao outrora pacato bairro do Catete. 

2021. O ciclo de 100 anos se completa, e uma pandemia mortal como a espanhola voltou a se abater sobre o mundo. Também um novo ciclo de extremismo político se espalhou por vários países, 75 anos após a derrocada do nazi-fascismo.  A expectativa média de vida de um brasileiro que nascer em 2021 será de 77 anos, mas este cidadão poderá ter uma vida bem mais longa e saudável, se os vírus e os extremismos políticos não prevalecerem.

O nosso herói completa agora 100 anos. E chega a esta idade com lucidez e autonomia para desempenhar suas atividades diárias. A jornada não foi solitária, pois dela fizeram parte muitas pessoas. Algumas muito queridas ficaram pelo caminho, enquanto outras foram chegando e estão agora presentes. Os amigos e uma família de filhos, netos, bisnetos e sobrinhos comemoram esta longevidade.

17 comentários em “Uma jornada de cem anos sem solidão

  1. Oi Rubens. Quano tempo. Já se vão decadas desde nossa ultima Kinderland. Adorei o seu texto sobre nosso pracinha!!!!! Um icone sem duvida. Beijos na familia. Niskinha

    Curtir

    1. Agradeço Sérgio. Que bom ter notícias suas. Nos vimos mais recentemente em Terezópolis há apenas umas 3 décadas. Creio que talvez uma vez no monumento da FEB.

      Curtir

      1. Oi Ruben e com muita alegria que você tem a felicidade de poder compartilhar com ele essa data.E para mim que o conheço há muito tempo e a sua família, aqui vai o meu abraço apertado para esta pessoa muito querida

        Curtir

  2. Rosenthal, parabéns pelo texto e pela homenagem! Seu pai deve ter gostado!
    A leitura está fluida, como uma história de livro que a gente não cansa de ler.
    Grande abraço

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s